quarta-feira, 13 de setembro de 2017

PAPO "EDIFICANTE" ENTRE JOESLEY E SAUD



"Nós só vai entregar o Executivo e o Judiciário. Só. Não é muito. O Legislativo já se (*****). A Odebrecht moeu o Legislativo. Nós vamos moer o Judiciário."

Seria bom a gente saber o quanto sabem esses bandidos endinheirados com o próprio dinheiro do povo brasileiro.

Certamente eles sabem muito, e ainda não contaram nem um terço do que sabem.

POR QUE MARCELO MILLER DEIXARIA O MPF?



Para Marcelo Miller deixar de lado o polpudo salário de R$ 30 mil de Procurador da República só há quatro hipóteses possíveis:


1. Ter recebido uma herança milionária;

2. Ter ganhado sozinho a mega-sena;

3. Ter sido comprado pelos milhões da JBS;

4. Ter desapegado e virado franciscano.


Na sua opinião, qual é a hipótese correta?

EU NÃO DEVO CONFIAR EM FACHIN



ABIN X FACHIN

Embora todos os envolvidos neguem, a VEJA é referida em reportagem da FOLHA nos seguintes termos:


ABRE ASPAS


"Segundo "Veja", a investigação da Abin teria encontrado indícios de que Fachin voou em um jatinho da JBS dias antes da sua sabatina no Senado, em 2015.

A fonte da informação, de acordo com a publicação, é um auxiliar do presidente que pediu anonimato.

Fachin, ainda conforme a revista, teria participado de um jantar sigiloso com o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), em Brasília, junto com o lobista da JBS Ricardo Saud, delator na Lava Jato.

Depois do encontro, seguiu para Curitiba, onde morava, no mesmo jato da JBS usado por Temer em 2011.

O ministro relator da Lava Jato no STF não se manifestou."

FECHA ASPAS


Enfim, mesmo sem simpatizar com esse cara, sigo o mesmo raciocínio de Reynaldo Azevedo quanto aos decretos de prisão temporária dos bandidos Joesley Batista e Ricardo Saud, a negativa da prisão de Marcelo Miller, e a confusa fundamentação do despacho de Fachin. É tudo pouco convincente. Mais que isto, é tudo na linha de deixar a porta aberta para a saída dos bandidos da JBS. Veremos.

Tenho dito

EU ACREDITO NISSO!


Por: Reinaldo Azevedo
Publicada: 11/09/2017 - 5:46

ABRE ASPAS

"Você está sendo enganado! Janot e Fachin atuam para limpar a barra dos criminosos. Não faz o menor sentido pedir e decretar prisão temporária. A única medida razoável é a prisão preventiva. Procurador-geral e ministro do STF dão truque nos brasileiros.

Rodrigo Janot e Edson Fachin: essa dupla resolveu fazer história. Má história
É uma vergonha o que está em curso, e os brasileiros, infelizmente, estão sendo engabelados. Por quem? Por Rodrigo Janot, procurador-geral da República, e por Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo. Qual é o ponto?

Diante das evidências de que Joesley Batista, Ricardo Saud e Marcelo Miller usaram a delação premiada para esconder crimes — em vez de colaborar para a sua elucidação —, Janot tinha apenas um caminho decente: pedir a suspensão dos benefícios decorrentes da colaboração malsucedida e a prisão preventiva do trio. Em vez disso, optou pela prisão temporária.

Fachin, por sua vez, não se fez de rogado e, com rigor apenas aparente, cedeu ao pedido do procurador-geral, aquele que se encontra informalmente em boteco com o advogado de um dos criminosos. E Fachin, vejam que maravilha!, decidiu ser mais generoso do que Janot.

O ministro decretou a prisão temporária de Joesley e Saud — máximo de cinco dias, renováveis por mais cinco —, mas não viu razão para prender Miller. Por que não? Ao tentar se explicar, o ministro produziu certamente um dos momentos memoráveis da Corte. Prestem atenção a este trecho do seu despacho:
“No que diz respeito a Marcello Paranhos Miller, ainda que sejam consistentes os indícios de que pode ter praticado o delito de exploração de prestígio e até mesmo de obstrução às investigações, não há, por ora, elemento indiciário com a consistência necessária à decretação da prisão temporária, de que tenha, tal qual sustentado pelo Procurador-Geral da República, sido cooptado pela organização criminosa.”

Se você não entendeu nada, não se preocupe. Fachin também não entendeu o que redigiu. Ele precisava engrolar alguma desculpa para não prender Miller. Então afirmou haver “indícios consistentes de que pode ter praticado o delito de exploração de prestígio e até mesmo de obstrução às investigações”, mas isso não se traduz, ele sustenta, em “elemento indiciário com a consistência necessária”… Ah, entendi? Janot acaba de fundar o indício não-indiciário; é o indicio que nega a si mesmo.

Há algo mais do que mera confusão aí, segundo os bastidores sórdidos de Brasília.

E Fachin segue dando um truque retórico em todo o mundo jurídico e, em particular, no Supremo ao afirmar o seguinte:
“O crime do art. 288 do Código Penal (associação criminosa que substituiu o delito de quadrilha ou bando), para sua configuração, exige estabilidade e permanência, elementos que, por ora, diante do que trouxe a este pedido o MPF, não se mostram presentes, para o fim de qualificar o auxílio prestado pelo então Procurador da República Marcello Miller aos colaboradores como pertinência a organização criminosa.”

Com a devida vênia, é um despacho asqueroso de Fachin, respondendo a uma petição não menos asquerosa de Janot. Ora, pedir a prisão do procurador, acusando-o de integrar organização criminosa, corresponde a uma manipulação porque é o mesmo que pedir que não seja preso. É evidente que não se trata de um caso de “organização criminosa”. Estamos falando é de obstrução da investigação. E o mesmo se diga de Joesley Batista e Ricardo Saud.

Escolher a prisão temporária, que pode se estender por, no máximo, 10 dias, corresponde a ignorar que Joesley, Saud e Miller representam, segundo o Artigo 312 do Código Processo Penal, uma ameaça à ordem pública e à instrução criminal, certo? A propósito: seus advogados agora anunciam que eles dizem dispor de novas provas. É mesmo? E as estavam omitindo, então, por quê? E, segundo se entendem, não se constrangem em chantagear o país: só as entregam se os benefícios forem mantidos.

Os demais ministros do Supremo terão de se manifestar. Alguns tiveram seus respectivos nomes jogados no chiqueiro moral em que se tramou isso tudo. Vão permitir que Fachin e Janot continuem a desafiar a lei e o bom senso?"

FECHA ASPAS

Não faz o menor sentido pedir e decretar prisão temporária. A única medida razoável é a prisão preventiva. Procurador-geral e ministro do STF dão truque nos…
WWW3.REDETV.UOL.COM.BR

"CONVERSA SOBRE AMENIDADES"


Estranho encontro entre Rodrigo Janot, o PGR , e Pierpaolo Bottini, o advogado da JBS, numa mesa de botequim em Brasília - DF.

Janot diz que 'se tratou de uma conversa sobre amenidades entre dois amigos".

Vocês acreditam nisso?

Eu não acredito nem um pouco nessa conversa pra boi dormir.

Na verdade, esse encontro é muito suspeito de tudo que não presta.

Janot tem que ser investigado.

PRISÃO DE BANDIDO RICO É OUTRO NÍVEL...


Agora, se fosse de um pé de chinelo, de um ladrão de galinha qualquer, aí a coisa seria totalmente diferente. O baculejo era pra lascar.

Vejam o cuidado do ministro Fachin quando da determinação das prisões de Joesley Batista e Ricardo Saud:

"...O cumprimento dos mandados deve ocorrer com a máxima discrição e com a menor ostensividade.

Deverá a autoridade policial responsável pelo cumprimento das medidas tomar as cautelas apropriadas, especialmente para preservar a imagem dos presos, evitando qualquer exposição pública.

Não se tratando as pessoas em desfavor de quem se impõe a presente medida, de indivíduos perigosos, no sentido físico, deve ser evitado o uso de algemas.

Observe-se, portanto, a súmula vinculante 11 deste Supremo Tribunal Federal...."

E ainda disse que "...não são indivíduos perigosos...".

Ora, esses bandidos são muito mais perigosos que o Marcola, chefe do PCC.

Tenho mais paciência não.

FACHIN DECRETA A PRISÃO TEMPORÁRIA DE JOESLEY BATISTA E RICARDO SAUD, MAS NEGA A PRISÃO DE MARCELO MILLER.


Ao não decretar a prisão do braço direito de Janot, o ex-MPF Marcelo Miller, Fachin tumultua ainda mais esse escândalo da delação da JBS.

O fato é que a decisão de Fachin acerta na decretação da prisão dos delatores Joesley e Saud, mas erra feio ao não decretar a prisão do auxiliar de Janot.

No mínimo, vai restar a dúvida se o pedido de prisão feito por Janot era na vera mesmo, e se na vera foi o decreto de Fachin.

Ocorre que, no Brasil de hoje, desconfio, no sentido lato, que sempre "tem algo de podre no reino da Dinamarca".

Tenho dito

O ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), acatou o pedido de prisão dos delatores Joesley Batista e Ricardo Saud, da JBS, segundo apurou a Folha.
WWW1.FOLHA.UOL.COM.BR

DE TANCREDO NEVES:



"Quando a esperteza é muita, vira bicho e come o dono".

Janot é a prova viva disso.

A DUPLA DA CORRUPÇÃO MAIOR


Duas denúncias contra os bandidos petistas Lula e Dilma e assemelhados em menos de 24 horas. O PGR certamente está fazendo isso "sem provas". Afinal de contas, a PF, o MPF, o Juiz Federal Sérgio Moro e o STF não sabem distinguir o que é prova do que não é, e o que é Justiça do que não é. Quem sabe algum gênio da raça vermelha petista não poderá dar aulas de direito penal a todas essas figuras incultas e parciais. SQN


O Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou Lula, Dilma Rousseff e o ex-ministro da Educação Aloizio Mercadante por obstrução de justiça nesta quarta-feira (6).
BR.SPUTNIKNEWS.COM

JANOT É INESCRUPULOSO


Os seus últimos atos na chefia da PGR provam que é um vivaldino, um espertalhão, um inescrupuloso. Essa conclusão é simples e direta.

Basta observar que no auge da divulgação dos áudios de Joesley Batista e Ricardo Saud, que estarreceram a nação, eis que, do nada, somente ontem Rodrigo Janot decidiu denunciar o Quadrilhão do PT, inclusive, apontando Lula como chefe, Dilma como "subchefa" e outros bandidos da perigosa ORCRIM vermelha petista. É aí, neste momento escolhido para essa jogada de marketing pessoal, que está o quanto o Janot é mafioso, espertalhão e vivaldino.

Mas tenho a impressão que tudo não passará de mera tentativa de desviar a atenção do povo brasileiro diante da avassaladora divulgação dos últimos áudios divulgados. Áudios estes que já estavam na mira da Polícia Federal, vinham sendo periciados, e em breve a farsa se tornaria do conhecimento público. Portanto, Janot não terá êxito em mais uma chicana para livrar a própria pele.

Ademais, a nova PGR, Raquel Dodge, que tomará posse no próximo dia 18 jamais jogaria isso para debaixo do tapete. Ela é outro nível, e a sua gestão será qualificada.

Nessa linha, o fato inconteste é que Janot foi totalmente desmascarado. Rodrigo Jabot é tão somente mais uma farsa nesse teatro do absurdo nacional. A sua pífia gestão já acabou. Janot não passa de um marionete e, ao mesmo tempo, um marioneteiro do seu braço direito Marcelo Miller.

Nada como um dia atrás atrás do outro com uma noite no meio. É sábia a voz do povo. Janot foi essa noite escura do meio que, por pouco, não jogou o nosso País no caos definitivo.

É claro que o Quadrilhão do PT de Lula e Dilma e assemelhados precisava mesmo ser denunciado, mas isto já deveria ter ocorrido há muito tempo. A demora de Janot em fazer isso foi mais uma manobra do manipulador PGR.

A questão que aqui se aponta diz respeito exatamente quanto ao momento escolhido por Janot para oferecer a denúncia; momento este que não ocorre por mera coincidência, mas sim por mais um ato de vontade de burlar e enganar a opinião pública brasileira. Não terá êxito. Não mais enganará a ninguém.

Nesse sentido, a imprensa noticia que Rodrigo Janot "chorou após relatar aos ministros Cármen Lúcia e Edson Fachin, do STF, ter encontrado omissões na delação da JBS." Terá chorado mesmo?

Provavelmente chorou. Mas, como canastrão que é, certamente derramou lágrimas de crocodilo perante suas excelências. E o fez ao ponto de um outro ministro do STF ter comentado: "Que emoção!"

Ora, chorar depois do grande mal que causou ao Brasil é muito fácil. O difícil é reparar todo o prejuízo e mal causados. Com lágrimas de crocodilo não conseguirá isso.

Quanto à denúncia ofertada, um detalhe: "somente Lula teria recebido R$ 231 milhões de propinas entre 2004 e 2012 pagas pelaa empresas Odebrecht, OAS e Schachin". O total de propinas indicado na denúncia em comento chega a R$ 1,5 bilhão de reais, isto envolvendo também a Petrobras. É o maior roubo da história mundial.

Por fim, é triste a sina do brasileiro em acreditar e ser enganado por todo tipo de bandido. Pior ainda, o brasileiro tem tendência para a idolatria de bandidos.

Todos os fatos dos últimos 15 anos comprovam exatamente isso: a crença e a esperanca têm sido destruídas por canalhas e facínoras da pior espécie. Alguns ainda são venerados por parcela do povo.

Sem dúvida, essa é a parte mais sombria da história do Brasil.

O alento é saber que ainda há luz no fim do túnel a partir de algumas operações investigativas estatais personalizadas nas ações de algumas pessoas de bem e para o bem.

Espero estar certo quanto a esse alento.

Tenho dito


Foto de Janot com o advogado da JBS, Pierpaolo Bottini, em um botequim qualquer de Brasília